Centenas de brigadistas ficaram, ontem, horas a fio nos corredores do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) do distrito Municipal Kampfumo, cidade de Maputo, à espera de assinatura de contratos e afectação para hoje, dia da votação. É que, contra todas as expectativas, até à tarde desta terça-feira, os mesmos ainda não tinham contratos assinados com o STAE e não sabiam qual seria o seu destino."/>
Últimas

Brigadistas queixam-se de falta de contratos com o STAE

20 de Novembro de 2013, 06:52

Centenas de brigadistas ficaram, ontem, horas a fio nos corredores do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) do distrito Municipal Kampfumo, cidade de Maputo, à espera de assinatura de contratos e afectação para hoje, dia da votação. É que, contra todas as expectativas, até à tarde desta terça-feira, os mesmos ainda não tinham contratos assinados com o STAE e não sabiam qual seria o seu destino.


Estes queixaram-se de terem dedicado o seu tempo à formação em matéria do processo eleitoral, mas o STAE, à última hora, decidiu mantê-los à espera o dia inteiro.


Por seu turno, o director do STAE na cidade de Maputo, Paulo Chambal, garantiu na noite de ontem que a situação já tinha sido ultrapassada e todos os brigadistas já possuíam os respectivos contratos. O STAE afirma assim que todos os membros das mesas de voto estarão nos seus locais de trabalho para o processo de votação.

Banca de jornais

Acompanhe as eleições